“UM NOVO DESPERTAR”: filme sobre depressão e autoajuda

8/30/2015 10:20:00 AM

              Um novo despertar (THE BEAVER), traz o ator Mel Gibson interpretando Walter, dono de uma empresa de brinquedos, que está com sérios problemas financeiros, e num dado momento de sua vida, entra em depressão. Com isso, ele se isola do convívio familiar, se afasta das pessoas que amam, prejudicando o seu relacionamento com sua esposa Meredith (Jodie Foster) e seus filhos Poter (Anton Yelchin) e Henry (Riley Thomas Stewart).

            No ápice da depressão, Walter chega a tentar suicídio, mas para o seu próprio bem, não consegue realizar tal ato. A depressão está em estágio tão avançado que nenhum tratamento “surte efeito”, o que gera ainda mais conflitos com a esposa que praticamente o expulsa de casa, e inclusive a relação com um dos filhos é bastante difícil, visto que o garoto tem medo de herdar a doença do pai.

             Para tentar salvar o que restou de sua “patética vida”, Walter impõem para si mesmo que pode curar sua depressão sozinho, sem auxílio médico. Um dia, quando iria jogar o lixo, deparou–se com uma espécie de fantoche, ao qual denominou de “Castor”. Nessa tentativa desesperada de obter a cura, utilizou–se daquele fantoche como um meio de escapar de seu mundo real e cruel e assim, Castor passou a fazer parte de sua personalidade, ou seja, Walter deixa de comunicar–se como sujeito que é e utiliza o boneco Castor, que passa a ser a nova identidade ou um novo ser, inclusive chega a dar comandos ou receber ordens. Vale ressaltar, que a voz do “personagem Castor” é diferente da voz de Walter; não só a voz, mas a projeção da construção da personalidade do fantoche, dever ser levada em conta.
           
             Com o tempo, o problema piorar. Apesar de ter reconquistado o trabalho, a família, Walter sofre uma espécie de crise de identidade, oriunda da construção e personificação desse personagem Castor, o qual Walter não consegue mais se livrar dele e voltar a assumir o controle de sua própria vida, do seu corpo e mente, sem o intermédio daquele ser. Novamente, tudo começa a dar errado e ele percebe que está prestes a perder tudo que lutou para conquistar, como o amor dos filhos e da esposa, como também a capacidade de poder administrar sua empresa.

            A parte mais dramática do filme é quando, num ato de extremo desespero, Walter para “matar” o fantoche Castor (que possuía um espaço para colocar o braço) acaba amputando o braço. Ele volta a si, como se um feitiço tivesse sido quebrado, e tem a consciência que sozinho não poderá se curar da depressão. Ele busca ajuda especializada e reconquista sua vida ao lado das pessoas que ama.

            Percebe–se que a temática do filme gira em torno da doença depressão, ou a doença dos tempos modernos. Aprofundando nesse assunto, define–se depressão como uma enfermidade que afeta o copo, humor e os pensamentos do doente, como também faz com que a pessoa não tenha ânimo para realizar atividades de seu cotidiano e que sem o tratamento adequado, pode pendurar por anos e anos.

           
Essa doença atinge pessoas jovens, adultos ou idosos, é causada principalmente por essas três doenças, que no futuro, geram um estado depressivo em uma pessoa acometida por esse mal: transtorno depressivo maior, destemia e transtorno bipolar de humor.

            Os principais sintomas da depressão são: sentimento de desespero, pessimismo, sentimento de culpa, fadiga, pensamento/tentativa de morte ou suicídio, inquietação, irritabilidade, etc.

        O tratamento dependerá do diagnóstico do paciente, já que “cada caso é um caso”, e conseqüentemente de acordo com o caso é que se estudará uma melhor maneira de tratar o paciente, mas geralmente, o tratamento é por meio de medicamentos e pscioterapias. É importante lembrar que o apoio e amor da família são essenciais no processo de recuperação do paciente.



REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:


NASCIMENTO, Antonio Leandro. Manual da Associação Brasileira de Psiquiatria: Falando sobre depressão. Projeto “Psiquiatria para uma vida melhor”.

  • Share:

You Might Also Like

0 comentários