Capítulo 2: Ela perdeu o baluarte

3/14/2016 12:38:00 PM

Carmilla não estava lá. Não havia mais ninguém com quem Justine desejasse conversar. Hoje, talvez, a solidão fosse a melhor companhia preferível para a desgraçada criatura. Foi um dia longo e maior ainda foram seus tropeços em pedras com pés descalços. 

Justine cambaleava pela cela, com as mãos aparando a cabeça, que mais parecia ter deslocado do seu pescoço. Era angustiante até ouvir o som de sua própria respiração. Juntando as forças, ela ordenou a seu corpo, que busca-se um apoio. Sozinha, ela tentou reerguer-se. Onde estariam as forças para mover-se? Poderia jurar que ele havia forrado o chão de sua cela com areia movediça, e que cada vez que era possível erguer a cabeça, recém colocada de volta em seu lugar, e erguer o corpo, mais ela se afundava. 

Um passado, um presente e um futuro seriam a matéria prima na qual fora moldado a areia. Justine agora gostaria de se afogar nela até não restar nenhum sinal de sua insignificante presença naquele recinto...

O castigo de hoje era ser reduzida ao nada, que ele sempre dizia ser ela. Nada, nada, nada! Não adiantava repetir as palavras, pois nem na calúnia, Justine podia se lembrar da doçura de sua voz veludada. Aquilo a reconfortava de uma maneira que muitos a julgariam insana. Mas era a única maneira que ela encontrou de se permitir ainda estar de pé, continuar sua longa jornada e só por hoje não desistir.


E as lágrimas, Justine? Isso era um privilégio, se ela pudesse chorar. Aprendera muito bem a reprimir seus sentimentos, a sofrer calada, enquanto apresentava-se um belo sorriso, ou sábios conselhos. Aos poucos, ela sabia que esta seria a melhor forma de morrer.

The Poem ( Visions of Atlantis )



O Poema

Eu estou sentando em um quarto vazio,
Eu estou escrevendo-lhe um poema agora,
É a hora de pensar sobre o que tivemos,
E quando o sol se pôr,
Todos meus sentimentos voltarão.
Eu sinto muito, por você ter morrido.
Se eu pudesse te dizer toda a dor que eu sinto,
E todo sofrimento aumenta esta noite

Por que você me deixou aqui sozinho?
Por que você me deixou completamente sozinho?
Era tempo que nós tínhamos apenas pedido?
Era nosso destino,
ou apenas minha última fantasia?
E eu sou deixado para trás na tristeza, e no sofrimento...

A fumaça e a escuridão estão no ar,
E sua sombra está em todo lugar,
Agora eu conheci o mundo chamado morte
Eu enrolarei uma corda em volta da meu pescoço,
E no fim, eu olharei para trás,
Desistir da vida é a minha defesa.

Você sabe algum outro jeito?
Por favor volte e diga-me como ficar.

E..
Por que você me deixou aqui sozinho?
Por que você me deixou completamente sozinho?
Era tempo que nós tínhamos apenas pedido?
Era nosso destino,
ou apenas minha última fantasia?
E eu sou deixado para trás na tristeza, e no sofrimento...

Estes choros finais eu escrevo para você,
Toda minha dor grita por você.
Esta última lágrima é derramada por você,
Toda minha dor grita por você.

E..
Por que você me deixou aqui sozinho?
Por que você me deixou completamente sozinho?
Era tempo que nós tínhamos apenas pedido?
Era nosso destino,
ou apenas minha última fantasia?
E eu sou deixado para trás na tristeza, e no sofrimento...

Por que você me deixou aqui sozinho?
Por que você me deixou completamente sozinho?
Era tempo que nós tínhamos apenas pedido?
Era nosso destino,
ou apenas minha última fantasia?
E eu sou deixado para trás na tristeza, e no sofrimento...

  • Share:

You Might Also Like

0 comentários