Tag: Desafio 12 meses de Poe (agosto)

8/26/2016 05:10:00 AM

Resultado de imagem para conto revelação mesmeriana

Oi amores. O mês de hoje eu escolhi mais um poema de Poe que também não muito conhecido : se chama A Valentien publicado em 1850 (dedicado a poetisa americana Frances Sargent Osgood, apelido Fanny, que foi um dos amores de Poe).

For her this rhyme is penned, whose luminous eyes,
    Brightly expressive as the twins of Lœda,
Shall find her own sweet name, that, nestling lies
    Upon the page, enwrapped from every reader.
Search narrowly the lines! -- they hold a treasure
    Divine -- a talisman -- an amulet
That must be worn at heart. Search well the measure --
    The words -- the syllables! Do not forget
The trivialest point, or you may lose your labor!
    And yet there is in this no Gordian knot
Which one might not undo without a sabre,
    If one could merely comprehend the plot.
Enwritten upon the leaf where now are peering
    Eyes scintillating soul, there lie perdus
Three eloquent words oft uttered in the hearing
    Of poets, by poets -- as the name is a poet’s, too.
Its letters, although naturally lying
    Like the knight Pinto -- Mendez Ferdinando --
Still form a synonym for Truth. -- Cease trying!
    You will not read the riddle, though you do the best you can do.



Conheça mais sobre meu livro, clicando na imagem abaixo:
E é claro, fazendo referência ao texto lido, temos a poesia referente a este trabalho de Poe, retratado em meu livro "As mulheres de Poe"

Sua prisioneira

(Para Valentine)
Quero ver você, anjo sem asas, voar!
Quero ver você, meu amor imortal, sangrar!
Cansei de ser açoitada pelo engano
Restou-me além do corpo ferido, o orgulho!

Quero ver você, olhos fechados, esconder!
Quero ver você, lábios carnudos, me beije!
Eu cuspirei ofensas e pragas por te amar
Restou-me além da alma manchada
O desejo de esquecer!

Eu sei que quanto mais eu tento, mais eu fracasso
Eu sei que quanto mais eu penso, mais eu preciso
Ser sua prisioneira
Não é o amor que me move
É o ódio puro diluído no sangue de minhas veias
Violando cada extremidade do meu corpo
Me rasgando de fora para dentro

Quero ver você de joelhos, caído, me adorando
Quero ver você, louco de arrependimento, existe perdão?
Cansei de presenciar atos de um covarde
Restou-me apenas um vazio sombrio me consumindo

A cada hora que durmo
Eu peço para cair no poço do esquecimento
Atrás de mim corre aquele fantasma sorridente
A cada hora eu me distancio da minha única verdade
Atrás de mim corre aquele fantasma sorridente
Eu serei sempre sua prisioneira!
“Para ela esta rima é escrita.”

No blog da Anna Costa e no facebook oficial do projeto, o conto escolhido para ser discutido este mês foi  O Coração Denunciador.
Anna Costa
Acompanhe a discussão coletiva das impressões da primeira obra de Poe neste ano de desafio de leitura ;)




  • Share:

You Might Also Like

0 comentários