Drácula Untold

10/28/2014 05:32:00 AM

Sempre fui apaixonada pela mitologia e segredos obscuros que regem o universo vampiresco. Topei em ir com uma amiga ao cinema e assistir  esse novo filme: Drácula Untold. O que eu achei?????

Simplesmente adorei a forma como foi abordada a história de Lord Vlad, que em dados momentos, nos faz odiá-lo, amá-lo, ter pena e ter esperança, que de na trevas de seu coração, ele encontrará a esperança necessária para defender sua família. 

A construção da nova versão da mitologia vampiresca do Drácula foi bem arquitetada num roteiro empolgante e sombrio. Os efeitos especiais causara-me arrepios e a atuação do Luke Evans é a melhor de todos os papéis que ele já interpretou no cinema (espero que esta sorte pendure em sua atuação como o Eric Draven do novo remake do filme O CORVO). 

Com certeza a dica da Lady neste final de semana, é que você compareça ao cinema e sinta todas as emoções possíveis e inimagináveis com este filme.

E que tal umas dicas de músicas vampirescas??

1. Xandria- Vampire


As ruas são escuras, sombras rastejando-se das paredes
A poeira se movimenta e as luzes de neon chamam
Demônios e tolos e uma dama de preto
Ela é do tipo que não dorme à noite

Ela vê a presa e fica atenta
São tempos difíceis, mas ela não liga

(refrão)
Ela é um vampiro
Desejo mais escuro que preto
Ela é um vampiro
Alcança mais alto, não há como escapar
Suas asas são cortinas da noite
Ela desconhece o certo e errado

Mortos são os lugares onde essa deusa esteve
Fria é a pele que essa criatura viu
Seu universo é um oceano de sangue
Sua mesa de jantar é um berço de lama

Ela vê a presa e fica atenta
São tempos difíceis, mas ela não liga

(Refrão)

A noite é cega, a senhorita está te chamando
Para estar com ela por toda a eternidade
Siga-a até que sua sede seja saciada
Uma mentira imortal, sangue

Não há saída, ela te paralisou

Você se despediria do sol?
E daria sua vida para nunca morrer?

Refrão

2- Annie Lennox- Love song for a vampire 





Canção de Um Amor Vampiro

Entre novamente nestes braços
E deite seu corpo
O ritmo deste coração trêmulo
Está batendo como um tambor.
Ele bate por você, ele sangra por você
Ele não sabe como soa
Por isso é o tambor dos tambores
Esta é a canção das canções.

Uma vez tive uma rosa rara
Que sempre floresceu.
Cruel inverno, esfriou o bálsamo,
E roubou minha flor muito cedo
A solidão, a desesperança
Para procurar os confins do tempo,
Porque não existe em todo o mundo
Amor maior do que o meu.

Ohh amor Eu nunca vou amar .. Oh amor eu nunca
Vou amar. oh amor .... Ainda cai a chuva. (repetir)Viver para sempre .. adeus para sempre ......ainda cai a noite

Deixe me ser a única
A proteger você do frio.
Agora o chão do céu esta caído,
Com estrelas do mais brilhante dourado
Elas brilham por você.
Elas brilham por você .
Elas queimam para todos verem.
Entre novamente nestes braços
E liberte este espírito.

3- Theatres des Vampires - Carmilla





Carmilla

Sua sombra negra ao pé da sua cama
Seu branco e puro
Vestido, você consegue sentir seu seio
Você não pode pará-la
Nas espirais do seu doce feitiço
Você consegue senti-la, ela está tão
Perto do seu coração

Todas as noites, após o dobrar do último
Sino
O silêncio se aproxima lânguido, gracioso em um transe

Você
Não pode pará-la, não, você não consegue falar, não consegue escapar
Sem mais
Sussurros. Sem mais mágoa. Sem mais dor.

Carmilla, venha
Até mim
Mircalla, eu quero você
Carmilla, ela vem até você

Mircalla, eu quero seus gritos

Agora eu vejo você ao
Pé da minha cama
Seu puro e branco vestido é uma grande
Mancha escarlate
Eu não posso pará-la nas espirais do seu doce
Feitiço
Eu consigo senti-la, você está tão perto do meu coração

Ela
Vem para trazer a mágoa
Ela é como um frio abraço
Ela
Murmura palavras de loucura
Ela vem para trazer a morte

"Você é meu, você deve ser meu"
Ela diz... "o amor terá
Seus sacrifícios..."
"Há um frio por trás de seus
Anos,
Em seu sorriso, infinita melancolia,
A recusa
Em propiciar-lhe o menor raio de luz"
Você a vê sob
A sombra da lua,
Estática próximo ao pé da sua cama,
Em
Seu vestido de renda branca
Banhada, do queixo aos pés,

Em uma grande mancha escarlate.
Ela diz novamente...
"Não há
Sacrifício sem sangue"

  • Share:

You Might Also Like

0 comentários