Capítulo 4: Segredos, confissões e solidão

8/12/2015 09:48:00 AM


Todos nós temos segredos que vamos levar além do túmulo. Isso é fato. Os nossos segredos fazem parte de nossa intimidade, de nossa formação como pessoa, são constituintes de nossos erros e futuros acertos... são as nossas escolhas em linhas certas, tortas... enfim....

E o segredo deixa de ser segredo quanto compartilhado por aqueles que mais confiamos. Temos a necessidade de revelá-los para alguém que julgamos ser a pessoa mais sensata para aliviar o fardo ou para melhor nos orientarmos. E como é triste quando em troca recebemos um tiro no pé. O mundo fica sabendo de algo que deveria estar a sete palmos debaixo da Terra.

O que devemos fazer quando nossos instintos nos obrigam a não confiar em mais ninguém? Até a nossa sombra, suposta fiel companheira, pode nos trair... Devemos ficar calados, remoendo em nossos pensamentos o peso do nosso mundo, sendo o baluarte dos outros, enquanto procuramos nos firmar em um chão que mais parece um abismo?

Houve um tempo em que achei que confessar seria a solução para alguns problemas da vida. Hoje vejo que ficar calada é melhor. Algumas pessoas vão compreender você, te apoiar, mas outras (ou a maioria delas) irão rir de você, te chamar de louca, dizer que você tem algum problema mal resolvido.

Então qual é a grande moral disso tudo? Estamos rodeado de gente, mas castigados a ficar sozinhos em nossos mundos. Então olhe para você, em seu espelho reluzente, sorria e diga: eu sou o meu próprio baú de segredos!






Guarde bem meu segredo
Como meus olhos guarda estas lágrimas
É pingos de chuva em minha face
Uma tempestade conduziu-me aqui

Guarde bem meu segredo
Como meus pulmões guardam ao respirar
Até que eu feche meus olhos
A última vez é abaixo de mim

Para o caso tudo é passado e ido
Eu guardarei meu sorriso e continuarei
Não peça mais

Guarde bem meu segredo
Veja como eu caí profundamente
Guarde bem meu segredo
E eu não lhe pedirei mais

Guarde bem meu segredo
Como minhas veias mantém meu sangue
Nenhuma ferida pode ser assim profunda
Como o amor que eu tive

  • Share:

You Might Also Like

0 comentários