Capítulo 1: Preparativos

Ainda me lembro como se fosse hoje o dia fatídico que começou a minha maldição. Estava junto com mais três amigos, desbravando um pedaço de uma tentadora e convidativa Floresta. Porém entre as trilhas desconhecidas que surgiam a nossa frente, mais excitados com aquela experiência ficávamos, sem saber o trágico destino que nos esperava. 

Paul, o mais velho e insano do grupo, era o nosso guia. Engraçado isso... O nosso guia mais bêbado do que nunca, tropeçava em sua própria sombra, de tão chapado que estava. Marrie, sua namorada, fumava que nem uma caipora neurótica. E eu? Bem, eu era daquelas pessoas do contra, sabe? Mas, mal eles sabiam que desta vez eu estava certa. 

"Vocês são um bando de doidos varridos. A floresta da Black Moon é mal assombrada. Já ouvi histórias sinistras sobre ela." 

"Ah, lá vem a senhora certinha! Sabe o que você realmente é, Rebeka? Uma Patricinha de m**** que pensa que sabe de tudo, que se sente superior a todos nós, parece que eu não deixei minha mãe em casa". 

" Essa foi boa Marrie", confirmou Paul. Eu nunca recebi uma ofensa desse tipo de minha amiga, mas achei que fosse o efeito do álcool e cigarros, que haviam falado por ela. Por isso, fingi que não escutei tal comentário.

" Vamos acabar com essa briga boba, ok? Não há ninguém obrigando você estar aqui. Mas quem ficar até o fim vai ganhar um surpreendente presente", fala esta de Tom, olhando diretamente para a profundidade dos meus olhos. P*** m****! Aquilo me arrasou por dentro. 

Durante anos, fui super ligada nele. E ele, como aquele típico homem cafajeste e safado, me esnobava. Depois de um tempo, eu desisti dele. Por mais que meu coração doesse, eu abri mão de lutar por ele, para o meu próprio bem. Eu aceitei ir nessa aventura e saber qual era esse presente, essa recompensa por minha coragem. Afinal de contas, eu deveria colocar em minha cabeça que era uma floresta inofensiva. Particularmente, nunca curti esses lances que as pessoas normais inventam para justificar coisas que não conhecem. Sei lá... Eu não acreditei naquele momento, nas baboseiras que o povo da cidade falava. No final de toda a discussão, a maioria venceu. 

" Pensando bem eu estou com medo" disse Marrie, raciocinando mais do que a gente, apesar da bebida. Contudo, Paul prometeu que se casaria com ela caso  aceitasse o desafio de desbravar a floresta. " Não brinque comigo, se casar uma m**** comigo!", complementou minha amiga. 

" Deixa  a m**** e me escuta. Sei que você quer essa cerimônia, apesar de não achar que o seu significado realmente importe. Mas, se você realmente quer isso, então venha comigo. Afinal, você vai dividir comigo suas alegrias, tristezas, bebedeiras, loucuras. Todos estão ouvindo o que estou prometendo. É a mais pura verdade!" 

" Sim, todos nós ouvimos!", disse eu. " Agora vamos logo!" 

Dois dias antes de embarcarmos nesta loucura, fomos a loja do Bill e compramos bebidas, comidas nada saudáveis, kit de sobrevivência simples, com cordas, lanternas, remédios, espanta mosquito, e um mapa. O dono da loja ficou espantado ao saber da trilha que iríamos fazer. 

" Vocês são doidos. Por dinheiro nenhum do mundo, eu iria lá. Dizem que a pessoa fica louca com as coisas que acontecem lá." 

" E é por falta de todo dinheiro no mundo que você vai morrer nessa miséria!", assim Paul encerrou esta conversa. Eu dei um beliscão nele, lançando meu olhar de desprezo para o meu amigo e um olhar de desculpas para o dono da loja. 

Marcamos para a manhã do sábado estarmos todos na rodovia 62, no lado do Oeste da cidade. Me lembro que era um dia ensolarado. Acordei pulando da cama. O despertador não tocara, mas eu já estava acostumada a acordar cedo. Tom já havia me ligado duas vezes, porém deixei o meu celular no silencioso. Arrumei rapidamente minha bolsa, colocando celular e dinheiro, uma câmera para registrar esta aventura, alguns documentos e o kit de sobrevivência do Bill. Tomei um rápido banho, nem consegui fazer um penteado bacana para o meu cabelo. Decidi que era melhor deixar um coque, que só favoreceu a magreza do meu rosto. Era assim que eu gostaria de me apresentar para Tom?

Dark Sarah - Hunting the Dreamer


Dark sarah: Darling it’s me, don’t you know this is me?
I said I will come and show what you’ve done.
The moon is my guide there’s no other light,
I’m staring at you, your eyes in the night.

Now enter the dream. Can you hear the wild scream?
Deep in the night I breath by your side.
Hunting you down it gives me this heat
For now you can breathe, I’ll wait till you’re weak

Whispering voices surrounding you,
You’re starting to fear what you’re going to see in the moon glow.
Darling, she’s been hiding inside me.

The spell: “odotan iltaa ja yötä sen viimeistä työtä
-Se vapauttaa, vie pimeyden taa,
Voimaa antaa. Turvaa haet sä turhaan!
Lupasin ain sinut saavuttaavain, nyt on aika tullut!”

I’m hunting your dreams, I’m taking them down
Destroying your heart by draining your love!
Now you will feel how my life has been
Living a dream as a living dead being.

Whispering voices surround you,
You’re starting to fear what you’re going to see in the moon glow.
Darling, she’s been hiding inside me.

The spell: “odotan iltaa ja yötä sen viimeistä työtä
-Se vapauttaa, vie pimeyden taa,
Voimaa antaa. Turvaa haet sä turhaan!
Lupasin ain sinut saavuttavain, nyt on aika!”

”Turhaan haet sa turvaa!
Lupaisin ain sinut saavuttavain.
Nyt on aika!”

”Tämä on se uni.
Puhdistava tuli.”

You Might Also Like

0 comentários

Defenda os animais!

Defenda os animais!

Obrigado por sua visita!

Obrigado por sua visita!